DAEE fará estudo de contenção de águas pluviais do Ribeirão Guararema

A convite do deputado André do Prado, o superintendente do DAEE fez uma visita técnica ao município e foi recebido pelo prefeito Adriano Leite

O Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) vai elaborar um estudo hidrológico para propor alternativas de contenção das águas pluviais do Ribeirão Guararema a fim de evitar enchentes ocasionadas pelas chuvas.

O assunto foi discutido na última quinta-feira, 1º, na visita do superintendente da autarquia, Francisco Loducca, e do engenheiro Silvio Giudice ao município, a convite do deputado André do Prado, que acompanhou o encontro ao lado do prefeito Adriano Leite.

O Ribeirão Guararema nasce em Mogi das Cruzes e atravessa os bairros de Luís Carlos e Nogueira, um dos mais adensados, que conta com mais de 2.700 habitantes. Nele está localizado o maior empreendimento habitacional do município, com 408 unidades. O Ribeirão tem, aproximadamente, 70 quilômetros de extensão, a maior parte em território mogiano.

Toda chuva que cai na cabeceira do Ribeirão Guararema e em seus afluentes chega ao bairro Nogueira para desaguar no Rio Paraíba do Sul. No entanto, por uma questão de relevo, quando há volume muito grande de água, ele transborda e enchentes ocorrem.

O deputado André do Prado explicou que a Prefeitura faz obras de prevenção e desassoreamento do rio constantemente, mas, quando as chuvas são intensas, as moradias próximas do rio são atingidas. “A elaboração de um estudo é fundamental, porque vai nortear os próximos passos e apontar a obra mais eficiente para fazer a contenção das águas pluviais evitando, assim, as enchentes”, pontuou o parlamentar.

Antes de visitarem o bairro Nogueira, eles estiveram no Centro de Segurança Integrada (CSI), onde o prefeito Adriano apresentou os registros recentes de alagamentos e mapas que mostram todo o curso do rio até chegar ao município.

Para o prefeito, o apoio do DAEE na elaboração do estudo é primordial, uma vez que a autarquia tem expertise no assunto. “Fazer essa contenção é um grande desafio. É um problema que enfrentamos há anos e que somente com apoio e parceria conseguiremos solucionar”, afirmou ele.

A ocorrência recente mais grave de enchentes e alagamentos no bairro Nogueira aconteceu em 2016, após as regiões do Alto Tietê e do Vale do Paraíba receberem um volume intenso de chuvas, o que provocou inúmeros prejuízos aos moradores.

No Comments

Post A Comment